Como funcionam os contratos vitalícios de grandes atletas com a gigante americana Nike?

Roger-Federer-3

Por Edson Ferracini

A perda de patrocínio a Roger Federer pela Nike para a japonesa UNIGLO é um bom parâmetro para o entendimento de como a coisa funciona.

Na Nike as maiores prioridades sempre foram futebol, basquete e atletismo. No entanto, através dos anos, a empresa procurou patrocinar atletas de muito destaque em outras modalidades para consolidar sua marca em todos os segmentos do esporte.

Com o tênis não foi diferente – ou alguém acha que patrocínio para caras como Federer é pra vender camiseta?

Muitos imaginam que a empresa possui contratos vitalícios com atletas. Na verdade isso não existe, o que existe é uma espécie de contrato de “aposentados”.

Esses acordos são renováveis a cada cinco anos e geridos da mesma forma que os contratos com atletas da ativa. Exemplos são Michael Jordan, Ronaldo Fenômeno, Sebastian Coe, Pete Sampras…

Jamais imaginei que a Nike – assim como nunca admitiu que acontecesse com Michael Jordan, deixasse Roger Federer vestir outra marca. Me enganei redondamente.

A política da empresa era pagar X enquanto Roger estivesse jogando e Y com ele aposentado – já que a imagem do tenista estaria menos exposta.

Como os contratos são com prazo de 5 anos, no último, nem Federer nem a Nike imaginavam que aos 37 anos ele ainda estaria brigando pelo número 1 do mundo.

Então a Nike queria o próximo contrato com base num Federer “aposentando”. Já Roger queria nas condições de continuidade – ou seja 10 milhões de dólares para os 5 anos seguintes como o contrato anterior. A Nike refugou.

Aí apareceu a japonesa Uniqlo e ofereceu ao Federer, que detinha a imagem de atleta mais valiosa do planeta, 30 “milhõezinhos” de dólares ao ano para um contrato de 10 anos, ou seja, 300 milhões de “doletas”.

E o fundador da Nike, Phil Knight, fã número 1 do Federer – na época estava fazendo 80 anos. Inúmeras festas foram programadas para festejar a data do patrão.

Fico imaginando a cara do CEO e dos conselheiros da empresa explicando na festa que não renovaram o contrato do astro Helvétivo. rsrs…

Mesmo sem jogar Roger continua sendo um dos atletas mais bem pagos do mundo – segundo a Forbes – mesmo aposentado supera a casa dos 100 milhões de dólares ao ano.

Compartilhe

Escrito Por

Leia Também

Conselheiros do Londrina aprovam SAF com Squadra Sports

Na manhã deste sábado (20), em Reunião Extraordinária realizada na sede administrativa do Estádio Vitorino...

Paris 2024: Brasil busca vaga no revezamento misto da macha atlética

A seleção brasileira de atletismo disputa neste domingo (21)  o Mundial de marcha atlética por...

LEC Futmesa leva botonista ao lugar mais alto do pódio

A equipe do LEC Futmesa disputou a 3ª etapa do Campeonato Paranaense no último sábado...

Deixe seu comentário!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

VEC TV

Londrina x Coritiba - Melhores momentos
Londrina x Coritiba - Melhores momentos
07:33