Vitória de ontem do Londrina tira a corda do pescoço do técnico Edinho

londrina-Cirilo - Ricardo Cicarelli

Se tem uma máxima no futebol brasileiro é que a única coisa que segura técnico é a vitória. No Brasil são raros os times e torcidas que têm paciência para deixar o treinador trabalhar pensando no longo prazo. Por aqui é tudo para ontem.

Edinho, técnico do Londrina, assumiu a equipe há pouco mais de um mês. Do time do ano passado sobraram apenas alguns gatos pingados. A maioria do time hoje é composta por garotos da base e jogadores que até o momento não tiveram exatamente alguma expressão no futebol brasileiro.

Ou seja, é começar do zero.

Ontem, no Estádio do Café, contra o Operário Ferroviário, de Ponta Grossa, um dos mais recentes maior adversário do Londrina, o time azul celeste venceu, por 3 a 2. Foi a primeira vitória do time no Paranaense. Antes, havia perdido para o Cianorte e Cascavel e empatado com o Azuriz.

O Tubarão abriu o placar com Clinton, o Fantasma virou com Dudu e Felipe Augusto, mas o LEC voltou a virar com João Paulo, de pênalti, e Cirilo.

A campanha que o Londrina vinha fazendo, óbvio, era compreensível. Time novo, jogadores desconhecidos, sendo apresentados um ao outro pouco tempo antes das partidas, o técnico, também em início de carreira, sem ter tempo suficiente para conhecer bem os atletas e implantar suas ideias de jogo.

Mas, duas derrotas e um empate haviam colocado a faca no pescoço de Edinho. O mais interessante é que o time vinha fazendo boas partidas, criando diversas oportunidades de gol e nada da bola entrar.

Desta vez, coisa rara, até o juiz ajudou.

O pênalti marcado pelo árbitro Eduardo da Silva Silveira, sobre Felipe Vieira, não aconteceu. A jogada não foi falta e, pior, aconteceu fora da área.

Enfim, o técnico Edinho terá alguns momentos de refresco, poucos na verdade, pois domingo o Tubarão enfrentará o Aruko, em Maringá.

Compartilhe

Escrito Por

Leia Também

Maringá Futebol Clube vence a Inter de Limeira por 1 a 0 no WD

Jogo marcou a 100ª partida do goleiro Dheimison com a camisa do Dogão O Maringá...

Operário-PR supera Chapecoense e dorme na vice-liderança da Série B

Na partida que marcou a abertura da 11ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro,...

Camisa 10 Miguel Kenji comemora medalha no Mundial e reencontra as origens no futsal do Colégio Londrinense

Da Assessoria Camisa 10 da Seleção Brasileira de Futsal e vice-campeão no Mundial Universitário, que...

Deixe seu comentário!

Um comentário

  1. Walace

    Desde o tempo que jogava nas ruas Vila Brasil as peladas de todos os dias, uma coisa era bem clara, futebol é conjunto. Quanto mais a gente jogava junto e conhecia o amigo, mais fácil era o entrosamento. Aprimoramos as qualidades e defeitos do conjunto, por mais que o individualismo fale mais alto no futebol. E tive a sorte de ter um técnico como o Ticão, que jogou no LEC e juntou os meninos da rua no “Preserve” e fomos vice-campeões em 1981, numa final no Campo da Portuguesinha, num time que tinha Joilton como o craque (eu era o reserva dele rsrsrsrs). E tinha gente muito boa (não era o meu caso) como Celso Pozzato (um baita volante), Fernando Barriga (grande zagueiro) e outros. Treinar é essencial, conhecer as táticas é mais que “resenha”, é conhecer posição, cobertura, hora de recuar, hora de atacar, segurar a bola e tantas coisas que essa geração “FIFA” e das redes sociais não entendem. O técnico é um organizador, e para isso, precisa conhecer o que tem nas suas mãos e o que quer passar, e leva tempo. Dito isso, lembro que ninguém sabe ao certo afirmar quem crioua frase de “jogo é jogo e treino é treino”, contudo se você não treina, você não executa o jogo de verdade. Deixa o príncipe treinar, depois vamos criticar o trabalho.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

VEC TV

Londrina x Coritiba - Melhores momentos
Londrina x Coritiba - Melhores momentos
07:33