Basquete: Cidade de Mercedes dá exemplo, mas é preciso mais atitude das demais cidades do Paraná

0
47

Uma ação feita em Mercedes, cidade no Oeste do Paraná com seis mil habitantes, tem chamado atenção de toda a mídia.

É a famosa bola de três pontos arremessada no último segundo que garante a vitória do seu time.

Há quatro meses numa das quadras da cidade, foi deixada uma bola de basquete para que todos possam usar, praticar o esporte, divertir-se. A única recomendação é que depois de usada a bola seja deixada no mesmo local para que outras pessoas possam também usá-la.

Surpresa. Num país em que nas cidades médias e grandes ninguém arrisca dormir com a janela de casa aberta ou deixar o carro destrancado na rua, com medo dos amigos do alheio, a bola permanece na quadra.

Aliás, quase. A bola só deixou o local para ser trocada por uma nova, devido ao desgaste.

A prefeita da cidade, Cleci Lopes confessa que quando foi desafiada pelo secretário de esportes a deixar uma bola à disposição, ficou preocupada. Mas aceitou o desafio. “Nós temos sempre o objetivo de incentivar práticas esportivas. As famílias vão lá, levam os filhos, todos se divertem e depois deixam a bola no local para outros praticantes. É muito bacana a gente ver isso”, disse ela.

O presidente da Federação Paranaense de Basquete, Marival Mazzio Junior disse que a experiência em Mercedes é excelente e que a ideia é leva-la para outras cidades.

Marival Mazzio Jr, presidente da FPB

Segundo ele algumas iniciativas tem ajudado a ampliar a prática do basquete no Estado, mas é preciso mais participação do poder público. “As miniquadras – futebol, basquete (3×3) – que o governo tem implantado em diversas cidades do Estado tem ajudado. Mas é importante que as prefeituras participem mais. Veja, nós fizemos um mapeamento do Estado para identificar onde se pratica e podemos incentivar. Nós encaminhamos questionários, através da Secretaria de Esportes do Paraná para os 399 municípios perguntando o interesse de eles implantarem projetos de basquete. Apenas 25 responderam e alguns disseram que não têm interesse. Não é fácil. Mas estamos trabalhando e vamos chegar lá”, disse ele.

Deixe uma resposta