A semana das viradas improváveis

1
245

Por Rogério Fischer

Nesta semana de mata-matas, tenha fé, irmão, porque se você torce pro Londrina, pro São Paulo e pro Palmeiras, você vai precisar – e muito.

Se for bambi, vai precisar em dobro.

É que o São Paulo terá dois desafios praticamente idênticos: reverter dois placares de 2 a 0, ambos fora de casa – nesta quarta diante do Cruzeiro pela Copa do Brasil e domingo diante do Corinthians pelo Paulistão.

A única e sutil diferença é que, no Paulistão, não tem essa de gol qualificado fora de casa, o que torna o confronto com o Corinthians um pouco – bem pouco mesmo – espinhoso.

Antes de encarar o São Paulo no domingo, o Corinthians recebe o Inter pela Copa do Brasil.

Empatou lá por 1 a 1 e, apesar da torcida geral, nada indica que abrirá as pernas para o Colorado, que começa a viver o Inferno da Segundona, que, queiram os deuses, continuará na abertura da Série B, em maio, no Estádio do Café, diante de um Londrina, esperamos todos, remodelado pelo cofre-sete-chaves do ‘seo’ Malucelli.

E o Parmera?

Depois de duas vitórias seguidas pela Libertadores – contra Jorge Willsterman e Penarol – com gols nos acréscimos que deixaram os antis à beira de um ataque de nervos, o Palestra levou três chocolates da Ponte e, no sábado, terá de socar quatro na Macaca se não quiser ver a coisa começar a ficar preta na Liberta porque na quarta seguinte tem, lá em Penarol, a segunda parte do jogo que ainda não terminou.

Hum…

De uma dose cavalar de fé quem vai precisar são os tubarões da terra vermelha.

Reverter o 2 a 1 diante do Atlético, mesmo em casa, parece bastante improvável.

Motivos para isso há de balde.

  1. O time de Tencati trouxe para 2017 o mau costume do ano passado de jogar mal em casa.
  2. Tirante os dois mil “sangue puro”, a torcida difusa do Tubarão está com as barbatanas de molho há tempos; o público no Café tem sido decepcionante.
  3. O Atlético, mesmo com reservas, é muito mais time.

Motivos para acreditar:

  1. Em semifinais do Paranaense, o pega entre eles está empatado, dois a dois.
  2. No último, em 2014, a virada foi sensacional, com um 4 a 1 necessário.

Fato é que a torcida está fazendo a sua parte, inundando as redes sociais com posts otimistas e, claro, com o vídeo da grande virada de três anos atrás, que você pode conferir acima.

Se o futebol prega surpresas como em nenhum outro esporte, talvez não seja esta semana que ficaremos sem testemunhar uma virada daquelas.

Talvez!