A mania de derrubar os técnicos do LEC

0
72

Por Luciano Maluly

Quando estava terminando o curso de Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, na Universidade Estadual de Londrina, tive minha primeira oportunidade de emprego na imprensa ao passar no processo seletivo do extinto Jornal de Londrina (JL), no começo de 1995.

A equipe era jovem e cheia de garra, formada por amigos como Marlon Dias, Alessandra Pajolla, Vera Barão, entre outros. Tive o prazer de conviver com Délio César como editor-chefe e Antônio Teixeira como editor de esportes.

Minha primeira missão era cobrir o treino do Londrina Esporte Clube. O treinador era Valmir Louruz, um gaúcho tranquilo, gente boa e que gostava de montar o time de forma simples e compacta. Advinha a pauta (ou o boato) dos setoristas: “O técnico cairá hoje?”. De imediato, o tonto aqui escreve uma matéria sobre a possivel demissão de Louruz.

Acordei cedo no outro dia e  fui direto no Estádio Vitorino Gonçalves Dias (VGD)  para acompanhar o treino da equipe. Chegando lá, fui recebido por um antigo diretor de futebol do clube (quero preservar o nome) e o próprio treinador. Ambos repetiram a mesma frase: “‘Por que os  jornalistas daqui insistem em derrubar os técnicos do LEC?”. Não falaram mais nada. 

Lembrei disso devido aos últimos acontecimentos no comando do Londrina Esporte Clube. Alemão estava bem, com o time em uma boa colocação e jogando certinho, apesar de algumas derrotas. Plantaram a pauta da demissão dele e olha no que deu.

Chegou Cláudio Tencati e o time não reagiu. Agora, a esperança está em Mazola Júnior.

Os jornalistas londrinenses precisam entender que o time não  é lá essas coisas, apesar da regularidade no início da Série B. Criticar sim, mas com a consciência de que um trabalho precisa de planejamento e tempo.

Essa mania de derrubar os técnicos do LEC já era. Ou os cartolas e os jornalistas londrinenses querem que o time retorne aos tempos de penúria no contexto nacional, como aqueles vividos no final dos anos de 1990 e na primeira década deste século?

Deixe uma resposta